[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
CLIQUE PARA FECHAR
Água Clara/MS . 15 de Novembro de 2018
notícias : Economia

17/10/2018 as 09h47 / Por (Perfil News)

Celulose e carnes de bovinos e aves alavancam exportações de industrializados de MS

Imprimir
- No grupo ?Complexo Frigorífico? a receita conseguida na soma de janeiro a setembro deste ano foi de US$ 686,3 milhões. Foto: Divulgação
- Ocultar Galeria

Celulose, carnes desossadas de bovinos congeladas, carnes desossadas de bovinos refrigeradas e pedaços e miudezas de aves congelados são os principais produtos responsáveis pelo crescimento de 23% na receita com exportações de industrializados de Mato Grosso do Sul nos primeiros nove meses deste ano em relação ao mesmo período do ano passado, que aumentou de US$ 2,19 bilhões para US$ 2,69 bilhões, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems.

Apenas em setembro, a receita com a exportação de produtos industriais alcançou US$ 287,4 milhões, apresentando estabilidade em relação ao mesmo mês de 2017, quando o valor foi de US$ 286,8 milhões. "Ainda assim, esse foi o melhor resultado para o mês de setembro dos últimos cinco anos", de acordo com avaliação do coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende.

Quanto à participação relativa, no mês, a indústria respondeu por 76% de toda a receita de exportação de Mato Grosso do Sul, enquanto no acumulado do ano a participação ficou em 60%. O economista explica que, de janeiro a setembro, os principais destaques ficaram por conta dos grupos "Celulose e Papel", "Complexo Frigorífico", "Extrativo Mineral", "Óleos Vegetais", "Açúcar e Etanol" e "Couros e Peles", que, somados, representaram 98% da receita total das vendas sul-mato-grossenses de produtos industriais ao exterior.

Celulose e carnes
No grupo "Celulose e Papel", a receita no período avaliado foi de US$ 1,41 bilhão, crescimento de 94% nos nove meses de 2018 comparado com a somatória de janeiro a setembro de 2017, dos quais 97,6% foram obtidos apenas com a venda da celulose (US$ 1,38 bilhão), tendo como principais compradores China, com US$ 758,8 milhões, Itália, com US$ 160 milhões, Holanda, com US$ 129,1 milhões, Estados Unidos, com US$ 92,7 milhões, e Coreia do Sul, com US$ 37,9 milhões.

"A produção de celulose segue em expansão, registrando recordes consecutivos nos últimos anos. Tal resultado é derivado da demanda externa aquecida, principalmente na China e na Europa, que são os principais mercados de destino da nossa produção. O cenário continua positivo para 2018, com preços em elevado patamar e produção em crescimento", destacou Ezequiel Resende.

Já no grupo "Complexo Frigorífico" a receita conseguida na soma de janeiro a setembro deste ano foi de US$ 686,3 milhões, uma redução de 1% em relação ao mesmo período do ano passado, sendo que 35,9% do total alcançado são oriundos das carnes desossadas de bovinos congeladas, que totalizaram US$ 246,3 milhões, tendo como principais compradores Hong Kong, com US$ 139,6 milhões, Chile, com US$ 110,2 milhões, China, com US$ 49,9 milhões, Arábia Saudita, com US$ 44,2 milhões, e Irã, com US$ 42,9 milhões.

"As exportações de carne de frango do Brasil em setembro alcançaram 363,8 mil toneladas, queda de 6% em relação a setembro de 2017. O volume leva em conta todos os produtos, entre in natura e processados, e gerou receita de US$ 582,3 milhões, 8,8% abaixo do reportado há um ano. Contudo, o volume de exportações registrado em setembro foi expressivo diante do número menor de dias úteis do período, se compararmos com outros meses do ano", ressaltou o economista.

Outros grupos
O grupo "Extrativo Mineral" aparece em terceiro com melhor desempenho, tendo uma receita de US$ 183 milhões no período analisado, aumento de 20% comparado com a somatória de janeiro a setembro do ano passado, sendo que 80,2% desse montante foi alcançado pelos minérios de ferro e seus concentrados, que somaram US$ 113,1 milhões, tendo como principais compradores Argentina, com US$ 107,7 milhões, e Uruguai, com US$ 70 milhões.

"As exportações de minérios pelo Brasil devem crescer 2,5% neste ano, ante 2017, para 410 milhões de toneladas, em meio a uma expectativa de aumento de investimentos no setor. A expansão nas vendas externas ocorre diante do crescimento das atividades da mineradora Vale, maior produtora e exportadora global de minério de ferro e uma das principais do setor de níquel, que vem registrando diversos recordes de extração", detalhou Ezequiel Resende.

Para o grupo "Óleos Vegetais", a receita alcançou US$ 163,9 milhões nos nove primeiros meses deste ano, um crescimento de 79% na comparação com o mesmo período do ano passado, com destaque para farinhas e pellets, que somaram US$ 114,9 milhões, tendo como principais compradores Tailândia, com US$ 47,8 milhões, Coreia do Sul, com US$ 26,7 milhões, Indonésia, com US$ 24 milhões, Vietnã, com US$ 22,7 milhões, e Holanda, com US$ 9,8 milhões.

"As exportações brasileiras do complexo soja somaram 5,984 milhões de toneladas em setembro, gerando uma receita de US$ 2,40 bilhões. Em relação a igual período de 2017, o volume aumentou 9,9% e a receita, 19,3%. Neste ano, a demanda pela oleaginosa brasileira aumentou com a quebra na safra de soja da Argentina e a disputa comercial entre Estados Unidos e China. Isso, aliado ao atraso na colheita de milho e à safrinha menor do cereal, fez com que a janela de exportação de soja, que tradicionalmente ocorre no primeiro semestre, se estendesse ao longo do terceiro trimestre", pontuou o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Filho de 22 anos ameaça pai que negou dinheiro de mesada em MS: 'Vou voltar aqui com uma pistola'
Polícia apreende 820 kg de maconha em rodovia de MS
PF apreende 30kg de cocaína escondida em veículo em Três Lagoas
Consumo de etanol cresce 48,7% e de gasolina cai 8% em MS
© Copyright 2012 . Portal Água Clara