Água Clara/MS . 05 de Março de 2021

notícias : Economia

22/02/2021 as 09h58 / Por (Midiamax)

ICMS da gasolina: MS embolsa R$ 266 milhões em janeiro, mais que SP, MG e 13 Estados

Montante arrecadado pela venda de combustíveis responde por um terço da receita do Estado com ICMS<br />

Imprimir
  • - Em MS, alíquota do ICMS sobre a gasolina é de 30% (Foto: Leonardo de França/Midiamax)
- Ocultar Galeria

Somente em janeiro, o governo de Mato Grosso do Sul arrecadou R$ 266,8 milhões em ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) sobre a venda de gasolina e outros combustíveis nos postos. O valor supera o levantado por São Paulo, Minas Gerais e outros 13 estados no mesmo período.

Os números são do boletim do Confaz (Conselho Nacional de Política Fazendária), colegiado ligado ao Ministério da Economia. Os dados apontam salto de 11% em relação ao arrecadado pelo governo sul-mato-grossense com ICMS sobre combustíveis em janeiro do ano passado – R$ 240,4 milhões. Os valores ainda equivalem a um terço (33,19%) da receita em ICMS para o mês.

O governo de São Paulo acumulou R$ 239,6 milhões com o imposto neste primeiro mês de 2021. Apesar da população 15 vezes maior, o estado vizinho pratica alíquotas menores sobre os combustíveis. Enquanto o governo de Mato Grosso do Sul cobra 30% sobre a gasolina e 20% sobre o etanol, o de São Paulo fixa 25% e 13,3%, respectivamente.

Já Minas Gerais, com alíquotas de 31% na gasolina e de 16% no etanol, arrecadou R$ 149,8 milhões em ICMS sobre a movimentação de combustíveis em janeiro.

O vizinho ao Norte, Mato Grosso, somou R$ 244,2 milhões com o imposto. Lá, os motoristas pagam 25% de ICMS sobre gasolina ou álcool.

A receita do governo de Mato Grosso do Sul com o imposto em janeiro ainda supera a de outros 12 estados. São eles: Acre, Amazonas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rondônia, Roraima, Santa Catarina e Sergipe. Os números das demais unidades da federação ainda não estão disponíveis no boletim do Confaz.

ICMS ‘morde’ R$ 1,45 por litro de gasolina no Estado
As alíquotas de ICMS sobre a venda de combustíveis variam de 12% a 34% nos estados. No caso específico da gasolina, embora Mato Grosso do Sul não tenha o percentual mais agudo – o Rio de Janeiro pratica 34% -, a “mordida” do imposto estadual no valor pago pelo consumidor é uma das maiores do País. Isto porque o cálculo do ICMS é feito em cima do PMPF (Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final), média de preço praticado por estado e que é ajustada a cada 15 dias pelo Confaz.

Segundo tabela da Fecombustíveis (Federação Nacional do Comércio de Combustíveis e de Lubrificantes) com base no PMPF vigente na segunda quinzena de janeiro, quem abasteceu com gasolina em Mato Grosso do Sul no período pagou R$ 1,451 por litro apenas de ICMS. O valor só fica abaixo dos praticados no Rio de Janeiro (R$ 1,687), em Minas Gerais (R$ 1,489) e no Piauí (R$ 1,476).

Em São Paulo, onde o preço médio ponderado é quase 60 centavos inferior ao de Mato Grosso do Sul, a mordida do ICMS ficou em R$ 1,062. Em Santa Catarina, o peso do imposto estadual era de R$ 1,087 até o fim de janeiro. No Acre e no Amapá, o ICMS impactava em menos de um real por litro até duas semanas atrás.

Governo de MS reajustou alíquotas em 2019
A alíquota de ICMS sobre a gasolina em Mato Grosso do Sul é de 30% desde fevereiro do ano passado, quando entrou em vigor o aumento proposto por Reinaldo Azambuja ainda em 2019. Até então, o percentual era de 25%.

Na época, o governo defendeu a medida para estimular o consumo do etanol, cuja alíquota passou de 25% para 20%. O Estado é o quarto maior produtor de álcool do Brasil, atrás só de São Paulo, Goiás e Minas Gerais.

Mas a iniciativa não impactou significativamente no bolso dos consumidores. Segundo histórico da ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis), o preço médio do etanol nas bombas chegou a cair até maio do ano passado, impactado também pela queda na demanda devido à pandemia de covid-19. Mas, de lá para cá, a tendência é de alta.

O estímulo também não foi sentido pelo setor sucroalcooleiro do Estado. A Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) prevê um recuo de 18,8% no total de cana-de-açúcar destinada à produção de etanol hidratado na safra 2020/2021 em Mato Grosso do Sul.

Projeto muda forma de cobrança do ICMS sobre combustíveis
Na última sexta-feira (12), depois de passar dias requentando polêmica ao voltar a atribuir a culpa pelo alto preço dos combustíveis aos governos estaduais, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) enviou ao Congresso Nacional um projeto de lei para alterar a maneira de cobrança do ICMS sobre os combustíveis. 

O texto propõe unificar as alíquotas em todo o País, com a incidência do imposto sobre a unidade de medida, o litro no caso da gasolina, do etanol e do óleo diesel. A proposta ainda atribui a definição do percentual ao Confaz e permite variação de combustível para combustível.

O assunto é delicado para os governos estaduais e gerou atritos há um ano, quando Bolsonaro falou em zerar os impostos federais (Cide, PIS/Cofins) sobre os combustíveis se o mesmo fosse feito com o ICMS. Por isso, o projeto enviado pelo presidente pode não avançar.

Na semana passada, o Fórum de Governadores se antecipou e pediu ao presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), que eventuais mudanças no ICMS sejam tratadas apenas dentro da reforma tributária, e não em matérias separadas.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
PM iniciará fiscalização de trânsito mais rigorosa com bicicletas elétricas em Água Clara
Assessor morre atingido por tiro em fazenda de Leonardo em Goiás
Homem morre esfaqueado no pescoço após briga por celular em Três Lagoas
Recém-nascida é encontrada morta enrolada em cobertores no matagal em Ponta Porã
© Copyright 2012 . Portal Água Clara