/** PIXELS **/ /** PIXELS **/ Ministério anuncia escolas cívico-militares em MS - Portal Água Clara
[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 11 de Novembro de 2019
notícias : Educação e Cultura

08/11/2019 as 09h09 / Por (Correio do Estado)

Ministério anuncia escolas cívico-militares em MS

Esse modelo visa fortalecer as áreas didático-pedagógica, educacional e administrativa. Nessas duas últimas áreas, haverá a participação dos militares

Imprimir
- Reunião teve participação de parlamentares federais e estaduais - Foto: Foto: Divulgação/Senado Federal
- Ocultar Galeria

Em reunião com a bancada de Mato Grosso do Sul no Congresso Nacional, o ministro da Educação, Abraham Weintraub, anunciou na quarta-feira (6) a implantação de duas escolas cívico-militares em Campo Grande e Corumbá. Em setembro, o governo do estado indicou duas escolas da Capital para o Programa Nacional das Escolas Cívico-Militares (Pecim).

Participaram da reunião o senador Nelson Trad Filho (PSD), coordenador da bancada, os deputados federais Fábio Trad (PSD) e Rose Modesto (PSDB), além do deputado Renan Contar, o Capitão Contar (PSL). Além das duas escolas, o ministro se comprometeu a liberar recursos para creches do estado que já estejam com projetos aprovados ou inacabadas.

ADESÃO

No último dia para estados e municípios interessados se inscreverem no programa, o governo do estado anunciou a indicação das duas escolas de Campo Grande para o Pecim. As escolas estaduais Alberto Elpídio Ferreira Dias, no Jardim Anache; e Marçal de Souza, no Jardim Los Angeles fazem parte de uma lista de 54 unidades que podem aderir ao projeto em 2020.

Esse modelo visa fortalecer as áreas didático-pedagógica, educacional e administrativa. Nessas duas últimas áreas, haverá a participação dos militares. A Secretaria de Estado de Educação realizou uma consulta pública nos dois bairros, tendo 93% de aprovação no Anache e quase 80% nos Los Angeles.

Segundo a SED, caberá ao estado administrar as unidades e suas despesas. Um servidor ocupará a direção, tendo como coordenador outro professor e um militar, que deve comandar as atividades do projeto.

Na grade de ensino, a novidade será a inserção de uma disciplina referente à atuação dos militares. O restante das unidades curriculares serão as mesmas utilizadas nas demais escolas da Rede Estadual de Ensino (REE), que contemplam a Base Nacional Comum Curricular (BNCC). A SED frisou que o Pecim não vai “militarizar os estudantes”, e que os militares não ocuparão cargos dos profissionais da educação.

O Pecim deve implementar as mudanças em 216 colégios até 2023, começando com 54 em 2020. O modelo será levado, preferencialmente, para regiões que apresentam situações de vulnerabilidade social e baixos Índices de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb).

Em parceria com o MEC, o Ministério da Defesa vai destacar militares da reserva das Forças Armadas para trabalhar nas escolas levando mais disciplina e organização. A ideia é que eles sejam contratados por meio de processo seletivo. A duração mínima do serviço é de dois anos, prorrogável por até dez, podendo ser cancelado a qualquer tempo. Os profissionais vão receber 30% da remuneração que recebiam antes de se aposentar. 

Os estados poderão ainda destinar policiais e bombeiros militares para apoiar a administração das escolas. Nesse caso, o MEC repassará a verba ao governo, que, em contrapartida, investirá na infraestrutura das unidades, com materiais escolares e pequenas reformas. Serão investidos R$ 54 milhões por ano, sendo R$ 1 milhão por escola. Desse montante sairá o pagamento dos militares da Defesa e a verba para os governos que aderirem ao programa. 

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Energia solar reduz custos para todos os consumidores
Camila Pitanga engata primeiro namoro com uma mulher, diz jornal
Jovem que espancava a esposa tenta agredir PMs com facão e acaba morto a tiros em MS
Pistoleiros executam dois e deixam um bebê ferido na fronteira
© Copyright 2012 . Portal Água Clara