[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 20 de Abril de 2019
notícias : Notícias

06/12/2018 as 08h09 / Por (Campo Grande News)

Em MS, fazendeiros suspeitos de jogar lama em rio têm R$ 400 mil bloqueados

Imprimir
- Ponto onde o rio da Prata deságua no Formoso; enxurradas escureceram águas dos rios. (Foto: Semagro/Divulgação)
- Ocultar Galeria

Decisão da juíza Adriana Lampert determinou i sequestro de ativos financeiros dos proprietários das fazendas responsáveis pela lama que atingiu o Rio da Prata em novembro. Os proprietários das fazendas Rio Grande e Monalisa devem ter os bens bloqueados até o limite de R$ 400 mil.

A decisão cumpre pedido do MPMS (Ministério Público Estadual). O promotor de Justiça Alexandre Estuqui Junio propôs a "medida cautelar inominada" contra os proprietários. O promotor alega que as duas fazendas não possuem medidas essenciais de conservação do solo.

Além disso, também defendeu que a ausência dos procedimentos provocaram os danos ambientais no Rio da Prata, que ficou dias com a água turva. Conforme o MPMS, os autos, os danos ambientais e acessórios estão estimados em R$ 400 mil. A juíza ainda estimou prazo de 30 dias para o cumprimento da decisão, sob risco de multa diária em R$ 2 mil.

Outras determinações – A decisão ainda estabelece a indisponibilidade dos imóveis até que se resolva a questão ambiental; implementação de curvas de nível em todas as áreas com elevação e que possuam declividade, independente do atual cultivo das referidas áreas; implementação de outras barreiras físicas nos pontos mais críticos das propriedades, onde haja propensão ao acúmulo de águas pluviais com risco de formação de enxurrada.

A determinação ainda prevê a manutenção contínua e eficaz nas estradas existentes nas propriedades e nas barreiras físicas e a comprovação de inscrição no CAR/MS. Os proprietários ainda devem apresentar relatório de conservação embasado em proposições técnicas, com cronograma de execução das atividades.

Rio de lama - Imagens foram registradas pelos donos do Seu Assis Camping e Balneário, que fica a 35 km da área urbana de Jardim, e exibiam a água completamente marrom da terra que a precipitação trouxe no dia 16 de novembro.

Os proprietários foram autuados pela PMA (Polícia Militar Ambiental). Além da PMA, o Imasul (Instituto do Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) notificou os proprietários por não terem construído curvas de níveis durante o manejo do solo para o plantio de soja. A falta das barreiras, consideradas indispensáveis para conter erosões, são apontadas como possíveis causadoras do carreamento de sedimentos que sujaram as águas do rio.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
MS tem 2ª maior taxa e fica na principal faixa de transmissão da dengue
Aviões de MS são apreendidos com drogas e 1 derrapa ao pousar em SP
Site permite consultas a qualquer CPF de graça; veja
PRF inicia Operação Semana Santa que vai até o próximo domingo
© Copyright 2012 . Portal Água Clara