[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 19 de Novembro de 2017
notícias : Polícia

12/09/2017 as 13h22 / Por (Midiamax)

PF deflagra Operação Cambota contra desvio de mais de R$ 1 milhão na prefeitura de Três Lagoas

Esquema envolvia servidores e oficinas mecânicas

Imprimir
(Foto: Cleber Gellio) -
- Ocultar Galeria

O esquema de corrupção desarticulado pela Polícia Federal nesta terça-feira (12) durante a Operação Cambota, pode chegar a um prejuízo de mais de R$ 1,6 milhão aos cofres públicos de Três Lagoas, localizado a 336 quilômetros de Campo Grande. A organização criminosa envolvia três oficinas mecânicas de cidade e servidores do 3º escalão da prefeitura, que juntos superfaturaram mais de 50% da verba destinada a manutenção de carros oficiais em dois anos.

Os delegados da Polícia Federal, Cleo Mazzotti, Alan Wagner Nascimento Givigi e Vinícius Faria Zangirolani, explicaram como o esquema funcionava durante coletiva de imprensa nesta manhã. O grupo é investigado desde o ano passado, agiu em 2015 e 2016 e pode ter superfaturado mais de R$ 800 mil por ano nos serviços de manutenção da frota de veículos oficiais da Prefeitura Municipal.

De acordo com o degelado Cleo Mazzotti, uma empresa de Dourados era a responsável por controlar a gestão de manutenções da Prefeitura. Quando precisava de um serviço, o município enviava o pedido a essa empresa, que através de um sistema de informática, abria a licitação e recebia os orçamentos das oficinas.

A partir daí, servidores do município escolhiam as empresas que fariam a manutenção da frota. É quando, segundo os delegados, o esquema começava.

Conforme o esquema ia sendo investigado, a força-tarefa da PF percebeu o nome das mesmas oficinas em cerca de 70% dos serviços prestados a prefeitura, na grande maioria, eram sempre as mesmas oficinas que enviavam os orçamentos e a primeira a apresentar os valores a empresa, obrigatoriamente ganhava a licitação.

Durante as investigações, a Polícia Federal descobriu alterações de preço de 100 a 200% do normal nos serviços prestados por essas três oficinas. Em alguns casos, os policiais encontraram superfaturamentos em torno de 486% do valor das peças substituídas nos veículos.

Em cada ano em que o esquema funcionou, os policiais identificaram que 50% do valor gasto pelos cofres públicos eram superfaturados, o que totaliza um prejuízo e R$ 1,6 milhões.

Apreensões

Foram cumpridos 20 mandados, sendo 13 de condução coercitiva e 7 de busca e apreensão. Cinco servidores do 3º escalão da Prefeitura, funcionários e dono das oficinas envolvidos no esquema, foram levados para a sede da Polícia Federal e ouvidos.

Além disso, documentos relacionados ao contrato dos serviços com a Prefeitura Municipal foram apreendidos pelos policiais. Ninguém foi preso e agora as investigações do caso continuam para identificar quais eram as vantagens que os servidores recebiam para organizar o esquema.

Ainda conforme a PF, não foram encontrados indícios da participação da prefeita em exercício durante o esquema, Marcia Moura, nem de funcionários do primeiro escalão. Os investigados podem responder pelos crimes de organização criminosa, estelionato qualificado, corrupção ativa e passiva, cujas penas somadas podem chegar a 26 anos de prisão.

Cambota é o nome popular do Virabrequim, peça responsável pela movimentação do automóvel. Como a fraude consistia em direcionar e majorar serviços nos automóveis da frota, o nome faz alusão à atuação policial, no sentido de desarticular a organização criminosa impedindo sua movimentação.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Documento com mais de 250 assinaturas é protocolado no MP contra quedas de energia em Água Clara
Banda de rock de Ribas disputa festival de música neste sábado em Campo Grande
Vereador Saylon beneficia atletas de Água Clara com materiais esportivos da FUNDESPORTE
Criança morre em MS após ter 47% do corpo queimado com leite fervendo
© Copyright 2012 . Portal Água Clara