[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 16 de Agosto de 2018
notícias : Polícia

09/08/2018 as 07h46 / Por (Midiamax)

Dois servidores da Sefaz são presos por esquema que sonegou R$ 44 milhões em MS

Imprimir
Foto: Henrique Kawaminami -
- Ocultar Galeria

A operação Grãos de Ouro, desencadeada nesta quarta-feira (8) pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), prendeu 33 pessoas em 7 estados, 25 delas só em Mato Grosso do Sul. Entre os detidos em Campo Grande, estão dois servidores da Sefaz-MS (Secretaria de Estado de Fazenda), que faziam parte do esquema que sonegou pelo menos R$ 44 milhões em impostos que deveriam ter sido recolhidos pelo Governo do Estado.

De acordo com a promotora Cristine Mourão, 14 empresas foram identificadas como integrantes do esquema. Elas emitiam notas falsas e faziam com que grãos produzidos em Mato Grosso do Sul acabassem saindo do Estado sem que o ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) fosse recolhido.

Faziam parte do esquema criminoso produtores rurais, corretores de grãos, empresas que emitiam notas fiscais – as chamadas noteiras, servidores públicos e motoristas que transportavam a carga.

A sonegação ocorria da seguinte forma, segundo o Gaeco. Na tentativa de não recolher o ICMS e conseguir se enquadrar em um regime fiscal diferenciado, os produtores dos grãos contatavam as empresas noteiras, que emitiam notas fiscais simulando que o grão estava sendo produzido e vendido dentro do Estado.

Durante o trajeto do transporte da carga, os motoristas encontravam integrantes do esquema que repassavam a nota fiscal com a venda simulada. Nesse documento, constava como destino do grão empresas do Estado. Dessa forma, Mato Grosso do Sul passava a ser apenas um corredor do escoamento do grão, com recolhimento diferenciado de impostos.

“Era como se as empresas estivessem vendendo o grão de outro Estado só para dizer que o grão passava nas nossas rodovias. Assim, não recolhia imposto”, explica a promotora chefe do Gaeco, Cristiane Mourão.

Benefícios fiscais
A denúncia sobre o esquema chegou ao Gaeco em 2016 e foi feita pela própria Sefaz, que identificou transações suspeitas. Os dois servidores já identificados como integrantes do esquema eram um agente fazendário e um técnico fazendário. Ambos participavam fornecendo informações para as empresas noteiras e dificultando o controle fiscal.

Ainda segundo a investigação, os dois servidores também são investigados por facilitar a concessão de benefícios fiscais irregulares para a empresa e em troca disso recebiam propina. A prisão dos dois ocorreu na Agenfa (Agência Fazendária), localizada na Avenida Fernando Corrêa da Costa, na Capital.

Controlador-geral do Estado, Carlos Girão afirmou que auditoria fiscal interna será realizada para investigar a atuação das 14 empresas implicadas. Procedimento disciplinar também será instaurado na Corregedoria.

O montante de R$ 44 milhões identificado inicialmente como prejuízo será bloqueado dos alvos, conforme solicitou o Gaeco e autorizou a Justiça.

Apreensões e prisões
Durante as buscas desta quarta-feira em Mato Grosso do Sul, São Paulo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, os policiais apreenderam R$ 500 mil em espécie de um produtor rural, documentos e celulares dos 33 alvos.

As prisões em caráter preventivo ocorreram nas seguintes cidades: Campo Grande (13), Chapadão do Sul (9), Costa Rica (2), Itaporã (1), Cuiabá (2), Rio Verde de Goiás (1), Mineiros-GO (1), Presidente Prudente-SP (2), Rodeio Bonito-RS (2).

Buscas também foram feitas em gabinete da Assembleia Legislativa do Estado, mas conforme o Gaeco, não há ligação de políticos com o esquema. O alvo na AL era servidor Marcos Antônio Silva de Souza, lotado no gabinete do deputado Paulo Corrêa.

Em Cuiabá, a cerca de 710 km de Campo Grande, um dos alvos teria sido a empresa Efraim Agronegócios que negocia soja, cujo escritório é localizado no edifício comercial SB Tower. Nomes de investigados e empresas implicadas na Operação não foram revelados pelo Gaeco.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Em protesto, cliente pendura caminhonete na frente de concessionária com aviso: "Não compre!"
Lula deve usar certidão 'sem antecedentes' para candidatura
Cúmplice de homem que matou cantor em tabacaria de Três Lagoas continua foragido
Contribuinte que está no 3º lote do IR 2018 recebe hoje restituição
© Copyright 2012 . Portal Água Clara