[PLANTÃO DE NOTÍCIAS]
Água Clara/MS . 21 de Setembro de 2017
notícias : Política

13/09/2017 as 08h46 / Por (Midiamax)

3º dígito de preços de combustíveis pode 'cair' por confundir consumidor

Imprimir
Divulgação -
- Ocultar Galeria

Não é raro um consumidor estranhar ou se confundir com o preço de um combustível ofertado nos postos. Quase sempre as dúvidas surgem pelo terceiro número após a vírgula. Com a intenção de acabar com a ‘confusão’, um projeto de lei foi apresentado nesta terça-feira (12), na Assembleia Legislativa do Estado, com o objetivo de retirar a terceira casa decimal do preço da gasolina.

Com autoria do deputado Lídio Lopes (PEN), o projeto de lei diz que “com a utilização de três dígitos após a vírgula acaba por confundir e lesar o consumidor, ao disfarçar o verdadeiro valor do combustível”.

Outro ponto destacado pelo texto é a questão econômica. Segundo o projeto, a terceira casa decimal também representa um lucro maior para o fornecedor.

Apesar da colocação descrita no projeto de lei, o gerente executivo do Sinpetro (Sindicato dos Postos de Combustíveis de MS), Edson Lazarotto, explicou que a retirada deste número pode impactar no preço dos combustíveis. “Esses milésimos de centavos reflete no dia a dia do revendedor. Tirando essa terceira casa, é óbvio que haverá um reflexo na margem de preço”, disse.

Segundo Lazarotto, se o projeto for aprovado, na prática, pode haver um aumento no preço dos combustíveis. “Se o revendedor estava cobrando R$ 3,299, ele vai cobrar R$ 3,30”, exemplificou.

Mesmo com a pauta em discussão na Assembleia, o gerente executivo do sindicato lembrou que a responsável por legislar e decidir sobre a situação é a ANP (Agência Nacional de Petróleo). Por ser um órgão federal, o Estado não tem competência para fazer qualquer determinação sobre o assunto. “Este é um dos únicos segmentos que utilizam a terceira casa decimal para a cobrança dos seus serviços, mas quem regula é a ANP. Nós não criamos essa situação e sim a ANP. É uma normal regulamentadora federal e ela se sobrepõe a estadual”, contou.

Lazarotto ainda lembrou que houve debate sobre a mesma questão em outros estados, mas que nada foi decidido. “Não surtiu efeito e existe uma briga judicial sobre isso”, disse.

Confunde ou não confunde?
Como o projeto descreve que é para evitar prejuízos e confusão do consumidor na hora de abastecer, o Jornal Midiamax ouviu clientes sobre a retirada do terceiro número decimal e se realmente dificulta o entendimento do preço na hora de abastecer. “Dá uma confundida, sim. Às vezes, vem um vendedor e fala o preço para você, mas tem outros postos que não acontece isso”, disse técnica de enfermagem, Débora Flores, 33 anos.

Outra pessoa que concorda com a confusão que os números causam é o vendedor, Manoel Casimiro, de 33 anos. “Facilitaria para ver [o preço sem o número]. Além disso, tem a questão da economia também. Tem estado que já é assim”, contou.

Para o aposentado Osivaldo Gonçalves, de 64 anos, é melhor um preço cheio. “Prefiro que arredonde. Tem posto que coloca o [terceiro] número bem pequeno e a gente não enxerga, por isso prefiro que cobre arredondado”, comentou. 

É a mesma opinião do consultor de vendas, Moiséis Gonçalves, de 45 anos. “Da uma atrapalhada na hora de abastecer. O preço arredondado seria melhor”, disse.

COMENTÁRIOS
VEJA TAMBÉM
Brasil pode ficar sem horário de verão pela primeira vez em 32 anos
Em Três Lagoas, dona acha cachorra perdida depois de dois anos após ver foto no Face
Agência do Correios em Água Clara adere a nova greve; paralisação já ocorre em 25 municípios de MS
Márcia Vida consegue Micro-ônibus de R$ 230 mil para atendimento médico aos pacientes de Água Clara
© Copyright 2012 . Portal Água Clara